COMPARTILHAR

Ao final do mês de maio foram liberadas as duas últimas edições de The Button, minissérie em quatro edições que mostra a investigação do detetive de Gotham, Batman, e do cientista forense de Central City, o Flash, sobre o Button que apareceu na caverna de Bruce após a repentina aparição do antigo Wally West na edição especial Universo DC: Rebirth. Tivemos poucas revelações,  retornos aguardados e a mão de Deus, deixando bem clara a presença de um certo personagem do universo de Watchmen, tudo isso no melhor que o Rebirth do universo DC pode nos proporcionar.


O texto abaixo possui classificação “S” por spoilers!!!!


A trama tem início na edição 21 de Batman onde Bruce está mais uma vez investigando o famoso button do Comediante, que todo bom fã de quadrinhos reconhece da brilhante história de Watchmen. Após uma descarga de energia do button, Bruce contata Barry para ajuda-lo a investigar mais, porém antes que Barry chegue outro velocista aparece. No melhor um minuto do universo DC, Batman enfrenta um Flash Reverso irado com suas memorias do Flashpoint restauradas – fato que ocorreu na 20º edição de The Flash – querendo vingança por sua morte pelas mãos de Thomas Wayne, o Batman da realidade do Flashpoint.

Bruce tenta resistir a um minuto contra Eobard para que o Flash pudesse chegar e lhe dar auxílo mas, antes que Barry chegue, o Reverso é morto ao tocar no button e em suas ultimas palavras diz que viu Deus. Um belo contraste já que como o próprio Barry fala Eobard é um homem da ciência. Mas o que o faria em seu momento de morte acreditar em Deus?!

Na segunda edição vemos Barry lidando com a morte do assassino de sua mãe e o que aquilo significava para ele, além de é claro estar em uma posição interessante ao junto de Bruce investigar a morte de Eobard Thawne. Também é interessante citar o apreço que o Flash e o Batman tem um pelo outro em uma parte onde Barry conta como diferente dos outros membros da liga da justiça, ele poderia ficar debatendo por horas sobre investigações de crimes, ciência forense e tudo mais. Existe uma grande amizade ali. Barry decide rastrear a energia que emanava do button sozinho para poupar Bruce depois de sua luta contra o reverso, mas o maior detetive não perderia por nada tal investigação.


Então eles partem em meio ao fluxo do tempo atrás da assinatura energética do assassino de Eobard Thawne e vemos alguns momentos memoráveis de linhas do tempo antigas, uma vida que apenas Wally West (pré-Flashpoint) e Clark Kent (pré-Flashpoint) conhecem, até que por fim em meio a uma tempestade no fluxo do tempo eles acabam caindo na realidade de Flashpoint e vemos um encontro de marejar os olhos, Bruce encontra seu pai Thomas Wayne, aquele amargurado e que havia se tornado o Batman no mundo de Flashpoint.

Vale lembrar que Bruce antes do aparecimento repentino do Flash Reverso havia visto o fantasma do mesmo Thomas Wayne, assim como Barry conta que teve uma visão de um capacete de mercúrio pairando sobre se sua cabeça e sentindo um momento de mais pura paz. O momento não era oportuno pois a realidade de Thomas estava se desfazendo além de, por suas ações durante a saga, ele se tornou o inimigo número 1 do Imperador Aquaman e da Rainha Diana, mas em meio a toda luta e caos Bruce pode ouvir de seu pai um grande conselho, que este deixasse que o Batman morresse com ele e que Bruce vivesse sua vida, fosse um pai para seu filho e encontrasse a felicidade. Este é de longe um dos melhores momentos desta saga.

Por fim voltando a seguir o rastro de “Deus” eles encontram o Reverso no meio do caminho ou melhor, uma versão de Eobard Thawne antes de ter seu encontro com a morte. Barry tenta o fazer parar de seguir o rastro de energia do button de qualquer modo porém ele o ignora e segue em frente para o seu destino. Barry e Bruce são pegos novamente em uma tempestade no fluxo do tempo e quando a esteira cósmica novamente quebra e eles ficam a deriva eis que Barry ouve uma voz amigável e que todos nós sentimos falta, Jay Garrick, o verdadeiro e que todos nós amamos tem seu retorno triunfante mas infelizmente por poucos mas gloriosos segundos, ate ele ser puxado novamente para o fluxo do tempo.


Sabemos que Jay esta perdido da mesma forma que Wally estava e apenas precisa de um para-raios que o traga de volta. Com Barry e Bruce sã e salvos nossa atenção é voltada para, finalmente, a “aparição” mais esperada desde o início do Rebirth, Dr. Manhattan. Quando Thawne chega ao seu destino ele percebe o grande erro que cometeu porém é tarde demais ele é morto pelo personagem do Universo de Watchmen e no fim vemos a “mão de Deus” enquanto lemos um pequeno monólogo que nada mais é uma fala do próprio Manhattan durante a saga dos Watchmen. Uma grande ironia que faria até Rorschach gargalhar, aquele que anteriormente era uma marionete que conseguia ver as cordas agora é agora o grande manipulador.

Foi uma ótima minissérie que se torna interessante a cada capítulo e nos dá um gostinho do quão bom esta sendo e o grande potencial que toda esta grande saga que é o Rebirth possui.

Os desdobramentos de The Button poderão ser vistos nas HQs do Batman, The Flash e no crossover intitulado “The Doomsday Clock” que abordará mais da influência do universo de Watchmen no universo DC, com lançamento anunciado para novembro.