COMPARTILHAR

Donkey Kong Country foi um dos jogos mais vendidos para Super Nintendo. Lançado em Novembro de 1994 com o nome Super Donkey Kong e estrelado pelo personagem Donkey Kong, a saga de três jogos vendeu mais de 25 milhões de cópias e foi lançado para diversas plataformas.

Estaremos relembrando a seguir os três jogos da saga:

Donkey Kong Country – 1994

O primeiro jogo da trilogia foi lançado em Novembro e trouxe além do personagem, de mesmo nome, o seu sobrinho Diddy Kong, Cranky e Funky. A missão do jogo era recuperar as bananas roubadas pelo King K. Rool e seus capangas, os Kremlings. O jogo é habituado em uma ilha onde em suas diversas regiões os personagens devem além de recuperar as bananas, enfrentar inimigos que incluem répteis e demais criaturas nativas.



Além disso, o jogo também oferece outros personagens, que concedem suportes e habilidades especiais, tais personagens são Rambi (Rinoceronte), Expresso (Avestruz), Enguarde (Peixe-espada), Winky (Sapo) e Squawks (Papagaio).

 




A ilha do jogo é dividida em mundos e subdividas em fases que contém um chefe no final.


  • Kongo Jungle (Selva do Macaco):
    O primeiro mundo contém 5 fases e um chefe: Very Gnawty’s Lair, um personagem monstro com aparência de rato.
  • Monkey Mines (Minas do Macaco):
    Este mundo contém áreas subterrâneas e é dividida em 5 fases com o Chefe: Necky’s Nuts, um tucano que lança ovos.
  • Vine Vallery (Vale-Videria):
    Área florestal com 6 fases e o Chefe: Bumble – Queen – B. Rumble, uma abelha gigante.
  • Gorilla Glacier (Geleira Gorila):
    Mundo coberto de neve com 6 fases e o Chefe: Really Gnawty Rampage.
  • Kremkroc Industries Inc. (Área Industrial Poluida):
    Local coberto de poluição com 6 fases e o Chefe: Dumb Drum, um personagem com aparência de barril gigante.
  • Chimp Caverns (Caverna do Chimpanzé):
    Mundo situado entre as minas, com 5 fases e o Chefe: Necky’s Revenge.
  • Gankplank Galleon (Navio de K. Rool):
    Último mundo com apenas um chefe – sem nome – com a maior dificuldade do jogo.

 

Donkey Kong Country 2: Diddy’s Kong Quest – 1995

O segundo jogo intitulado “Diddy’s Kong Quest” foi lançado em novembro de 1995 e trouxe como uma das principais novidades uma protagonista: Dixie Kong, a namorada de Diddy Kong. A missão do jogo é resgatar Donkey Kong que foi sequestrado por King K. Rool.


O novo jogo se passa em “Crocodile Isle”, ilha que contém 8 novos mundos e começa logo quando Donkey Kong é raptado por uma aeronave chamada Flying Krock e ameaça em apenas devolver Donkey se a família Kong entregar a reserva de bananas. Então após encontrar uma mensagem dizendo que Donkey foi levado para Crocodile Isle, Diddy e Dixie partem para a ilha com a missão de resgatar Donkey Kong.




Além de Dixie os novos personagens são: Squitter (Aranha), Glimmer (Tamboril), Rattly (Cobra), Clapper (Foca) e também temos os já apresentados no primeiro jogo, Rambi, Enguarde e Squawks.



O jogo é dividido em 8 mundos, contendo fases e um chefe final.

  • Gangplank Galleon:
    O primeiro mundo é o navio de K. Rool que ficou encalhado na praia da ilha e contém 5 fases e o Chefe: Krow’s Nest, um abutre gigante.
  • Crocodile Cauldron:
    Mundo vulcânico com minas de ouro e diamantes e contem 5 fases e o Chefe é: Kleever, uma espada possuida.
  • Krem Quay:
    Pântanos e espinhos contemplam este mundo com 6 fases e o Chefe: Kudgel.
  • Krazy Kremland:
    Colmeias, abelhas e pantanos. Mundo com 6 fases e o Chefe: King Zing, o rei das Zingers.
  • Gloomy Gulch:
    Mundo com uma floresta assombrada, 5 fases e o Chefe: Fantasma Krow.
  • K. Rool’s Keep:
    O castelo K. Rool apresenta uma mina cheia de esmeraldas e geleiras. Contem 6 fases e não tem Chefe.
  • The Flying Krock:
    Mundo na aeronave de K. Rool, com espinheiros, uma única fase e o Chefe é o próprio K. Rool
  • Lost World:
    Último mundo com selvas, geleira, vulcão e o núcleo da ilha. Contem 5 fases e seu chefe é novamente o K. Rool.

 

Donkey Kong Country 3: Dixie Kong’s Double Trouble! – 1996

O último jogo da trilogia foi lançado em 1996 e trouxe como tema principal o universo dos piratas. O terceiro jogo mistura ficção científica com muita aventura, e como curiosidade, o jogo foi baseado em locais do norte da Europa (como podemos percebemos em algumas fases a presença de ursos), mas a grande novidade do jogo é a presença de veículos moveis que podem ser alugados no ‘Aluguel de Barcos’ do personagem Funky.


A família Kong comemora a derrota de K. Rool e Donkey e Diddy sasem em uma viagem para conseguir bananas em novas terras. Após um tempo, os Kongs descobrem uma figura misteriosa denominada “Kaos” (Robô secretamente controlado por K. Rool) que sequestram os dois, então, Dixie e seu primo Kiddy vão para o Kremisfério Norte resgatá-los.





O jogo mais uma vez apresenta 8 mundos com fases e chefe:

  • Lake Orangatanga:
    Primeiro mundo apresenta um rio com uma ilha no meio. Contem 5 fases e seu Chefe é o Belcha, um barril gigante.
  • Kremwood Forest:
    Sequóias (árvores gigantes) contemplas esse mundo, com 5 fases e o Chefe: Arich, uma aranha.
  • Cotton-Top Cove:
    Mundo aquático com cachoeiras, 5 fases e o Chefe: Squirt.
  • Mekanos:
  • Área industrial com fábricas e poluição. O mundo conta com 5 fases e o Chefe: Kaos, um rôbo.
  • K3:
    Coberta pela neve, cachoeira e fábrica, o mundo tem como referência a segunda maior montanha existente, K2. 5 fases estão presentes além do Chefe: Bleak, um boneco de neve robótico.
  • Razor Ridge:
    Mundo com desfiladeiros, cavernas e rios. Contem 5 fases e o Chefe: Barbos, um ouriço gigante.
  • Kaos Kore:
    Área com um rio central, florestas, cavernas, redes elétricas e um castelo. O mundo tem 5 fases e dois Chefes: Kaos e K. Rool.
  • Krematoa:
    Último mundo do jogo que se passa em um vulcão inativo no fundo do mar. Contem uma floresta, desfiladeiros, cavernas e sequoias. Com 5 fases, seu Chefe é o K. Rool.

 

Notas finais referente a trilogia:

Poder jogar esses três jogos me trouxe uma incrível sensação de nostalgia. Considero essa primeira trilogia um dos melhores jogos feitos para console, e claro, melhor que os jogos de DK atual (como exemplo, Nintendo Wii). A trilha sonora do jogo é impecável e combina de maneira muito boa com o cenário e jogabilidade. Os gráficos melhoram com as sequências dos jogos, assim como o enredo, níveis mais criativos e o mundo secreto.

Donkey Kong Country é simplesmente um clássico da Nintendo, no qual, valem muito a pena relembrar esses jogos tão famosos, principalmente no final década de 90 (aqui no Brasil). Infelizmente uma das únicas maneiras de conseguirmos eles atualmente é por meio de ROOMS, que podem ser jogadas por emuladores em diversas plataformas.