COMPARTILHAR

Homem-Aranha em sua melhor encarnação no cinema e finalmente ‘De Volta Ao Lar’

 


O Universo Cinematográfico da Marvel que começou em 2008 com Homem de Ferro se tornou um grande e inegável sucesso. Mas esse universo sempre pareceu incompleto devido a falta de seus maiores personagens, que tiveram os direitos cinematográficos vendidos para a Sony e a Fox numa má fase anterior da empresa. Até que em 10 de Fevereiro de 2015, foi anunciado um acordo entre Marvel e Sony que traria o amigão da vizinhança para o MCU (quanto aos X-Men e Quarteto, a esperança é a última que morre).

O restante da história todos conhecem e, após a ótima apresentação em Guerra Civil, o aranha de Tom Holland ganha sua primeira aventura solo.

 


A seguir nossa crítica/review, com citações aleatórias do famoso falatório das redes.

*CONTÉM ALGUNS SPOILERS


 

 


Homem-Aranha: De Volta Ao Lar se inicia logo após Vingadores (2012), revelando as motivações de Adrian Toomes para se tornar o Abutre, após ser descartado e trocado pela Damage Control na limpeza dos destroços da batalha de Nova York.

Após a rápida introdução, o filme se volta à Peter Parker – vlogueiro, mostrando sua visão dos bastidores da Guerra Civil – e já nos primeiros instantes, percebe-se o contexto atual e jovial que o longa propõe à nova encarnação do Aranha.

 


“Ah mas o filme parece uma propaganda do Universo Marvel, e fica te lembrando o tempo todo disso”

De Volta Ao Lar é um filme introdutório, que precisa familiarizar o público à ideia de que o personagem e o universo aracnídeo sempre estiveram lá, no já estabelecido MCU e, há sim certo esforço para isso, o que não é um defeito do longa, pelo contrário; o longa consegue aproveitar todos os benefícios de estar em um universo compartilhado, na dosagem certa.

 


O Aranha

Estamos diante da terceira versão do Homem-Aranha nos cinemas em menos de 20 anos. Entretanto, esta é a versão mais jovem do herói, na faixa dos 15 anos ainda no colegial, o que traz um tom inédito para o personagem: a pura essência do Spider das HQs, que desde sua estreia nos anos 60, tem como maior trunfo a facilidade de fazer o público se identificar com o jovem nerd, inseguro e ansioso que de repente ganha superpoderes.

A escolha de Tom Holland é certamente um dos maiores êxitos do longa. O jovem ator está irretocável e brilha tanto como o inseguro Peter Parker quanto como o iniciante Homem-Aranha, em busca de melhorar e ‘provar o seu valor’.

 


“Mas, a ação do filme é pobre e pouco inspirada”

“Cadê o sensor aranha? Inadmissível”

Simplista mas eficiente, a trama do longa aposta na humanidade dos personagens, suas relações e motivações para se desenvolver e como já dito, o foco do filme é Peter Parker e seu amadurecimento. Logo, as cenas de ação estão em segundo plano e, quando ocorrem procuram mostrar a inexperiência do herói novato. Propositalmente, o tom ‘pouco inspirado’ fica em evidência. E novamente: um jovem aranha em desenvolvimento com habilidades sendo descobertas e/ou aprimoradas nas sequências…

 


“Mas trocaram a etnia dele(a)…”

O longa traz diversos coadjuvantes que ajudam a construir o ambiente colegial. Apostando na diversidade – e na realidade – temos mudanças em diversos personagens o que não prejudica em nada. Uma adaptação precisa se arriscar e mudar aspectos dos cânones para funcionar em outra mídia e em outro tempo. Quanto antes as pessoas entenderem isso, melhor é.

Do talentoso elenco coadjuvante, destaca-se Jacob Batalon, que rende momentos cômicos hilários na pele de Ned o melhor amigo de Peter e a misteriosa Michelle interpretada por Zendaya que – apesar de todo o esforço para despistar os curiosos – se revela uma importante personagem do universo aranha ao final do longa.

Ainda na ala coadjuvante, também merece destaque Happy (Jon Favreau – diretor do primeiro Homem de Ferro) que rende ótimos momentos como uma espécie de ‘babá’ do jovem Peter.


 

Outro ponto a se destacar, é o antagonismo do longa. O sempre irretocável Michael Keaton entrega um dos melhores vilões do MCU (o melhor talvez?). Um vilão complexo, humano e com motivações claras. Simples e assertivo, temos em Abutre um vilão ameaçador dentro ou fora da sua incrível armadura.

 


“Olha lá o Homem de Ferro 4 com participação do Aranha”

Ao contrário do que o extenso material promocional indicava, os Vingadores serviram como um leve pano de fundo na história para alívio geral da nação.

Tony Stark (Robert Downey Jr) é o mentor do Peter e isso se encaixa muito bem no universo já construído pela Marvel. A situação é: Um jovem nerd, é ‘apadrinhado’ por seu ídolo bilionário, filantropo e super-herói; claramente é compreensível a admiração retratada de Peter para com Stark. Sabendo o momento certo de entrar e sair, temos Tony Stark numa divertida participação que não ultrapassa 5 minutos de tela.

PS: Com aparições ainda menores, é outro famoso vingador que rouba a cena (entendedores entenderão).

 


As comparações

Com uma nova versão, inevitavelmente surgem comparações. Todas as opinões e gostos são válidos, mas uma coisa é consenso entre a maioria da crítica e público: temos em De Volta Ao Lar a melhor versão do herói. Um fato que não invalida as versões anteriores.

O Homem-Aranha de Tobey Maguire e Sam Raimi foi de extrema importância para o gênero nos cinemas e, apesar de toda aquela melancolia do personagem, a trilogia tem mais acertos que erros, além de nos trazer Spider-Man 2 um dos dos melhores filmes do gênero até os dias de hoje.

Andrew Garfield por sua vez fez um ótimo trabalho com o personagem em O Espetacular Homem-Aranha. Os dois filmes tem diversos erros, mas eles certamente não vieram do ator, que foi um dos únicos acertos da franquia interrompida.

 


“Melhor versão do Homem-Aranha”

Com a melhor encarnação do herói, Homecoming introduz de forma eficiente o Aranha no MCU além de preparar um ótimo terreno para o futuro da franquia e, num estilo jovial e aventureiro configura o longa como uma das melhores histórias do herói no cinema. Em última análise, apesar de ser o 5º filme e a 3ª versão do herói em tão curto intervalo de tempo,  o longa é único pois pela primeira vez este é ‘um filme de Peter Parker’.

 


NOTA: 4,5/5  

 


 

O que você achou do longa? Comente abaixo.

  • Ramon Muriel

    O Feige disse que a personagem da Zendaya não é quem pensamos, agr pra que essas iniciais????

  • Marcos Vynicios

    Melhor filme do aranha!

  • Gerci

    adorei a resenha,