COMPARTILHAR

Há alguns dias, começaram a sair diversas críticas da imprensa à série Punho de Ferro com base nos primeiros 7 episódios e a internet foi tombada por uma surpresa não muito agradável: era consenso entre a crítica que a série era horrível!

No dia 17, a produção foi liberada ao grande público que, em maioria, aprovou a série com classificações de diferenças gritantes em relação à crítica especializada, o que vem gerando imenso falatório. Portanto, levantaremos alguns tópicos deixando nossa visão sobre a série do último Defensor.

*Lembrando que arte é subjetiva.





  • O protagonista

Finn Jones é inconsistente em sua atuação no início da série; uma hora vemos um Danny Rand de bem com a vida, outra hora o justiceiro em busca de respostas, o que nos deixa confusos quanto a quem é realmente Danny Hand. Suas cenas de luta são fracas, inicialmente você percebe que são falsas (até demais), entretanto foi possível ver o amadurecimento do Finn no personagem e nas lutas, deixando-as mais realistas, tendo uma das melhores sequências sua luta junto com Davos contra vários membros do Tentáculo. Com o melhor desempenho, fica mais fácil entender quem é Danny Rand, que retornou como uma arma viva, mas que ainda tinha a ingenuidade de um menino.


  • Roteiro

Com um texto muito explicativo, a serie parece subestimar o público e, em alguns momentos vemos um texto pouco inspirado. Conforme a trama avança, vemos inúmeros furos, num texto com boas ideias porém muito mal executadas.  Sem querer ser pedante, o roteiro é a pior parte da produção e isso prejudica muito a série.


  • Atuações

No início da série as atuações se mostraram fracas. O já citado problema do roteiro, aliado às atuações traz um ar de artificialidade em diversos momentos. Os piores são Jessica Stroup (Joy) e Tom Pelphrey (Ward). Finn Jones, o nosso protagonista Danny Rand, também deixa a desejar em alguns momentos.

Conforme avançam os episódios, vemos certo amadurecimento nas atuações, que melhoram muito. Com os surtos de Ward, Tom Pelphrey têm a oportunidade de mostrar a que veio e passa a ter um ótimo desempenho. Destacando também Rosario Dawnson (Claire), super à vontade no papel.


  •  Antagonistas

A série possui uma transição constante de antagonistas. Inicialmente temos Joy, Ward (numa linha tênue entre ser ou não ser vilões) e Harold Meachum que, logo descobrimos estar envolvido com o Tentáculo, mais precisamente com – a já conhecida – Madame Gao, colocando mais um obstáculo na vida do protagonista. Até o oitavo episódio a serie não define ao certo quem é seu grande vilão (cometendo o mesmo erro de Luke Cage). Logo, a ameaça de Madame Gao é neutralizada apenas para surgir outro antagonista, Bakuto, trazendo consigo um plot twist desnecessário. Até o fim da série ocorre uma verdadeira dança das cadeiras de vilões com nenhum emplacando como grande ameaça. Por fim Harold ganha o posto de antagonista principal, porém já era tarde e seu lado vilão não pode ser mais explorado. Essa inconstância prejudicou e muito o desenvolvimento de toda a série.

 





  • Girl Power

Temos aqui ótimas personagens femininas, arriscando dizer que elas são a melhor parte da série. Vemos novamente Claire que com um tempo de tela considerável, recebe mais camadas e desenvolvimento, e as cenas dela lutando (com as garras a la Wolverine) foram incríveis. Temos ainda a intimidante advogada Jeri Hogarth e a ‘imortal’ Madame Gao, que mesmo sendo péssima é ótima!
A co-protagonista Colleen Wing, é apresentada como uma personagem forte e independente, características que aliadas ao ótimo desempenho e carisma de Jessica Henwick, rapidamente fazem a guerreira se tornar a melhor personagem da série. O envolvimento amoroso com o protagonista não desfez suas características (o que é ótimo) mas infelizmente o plot twist do décimo episódio desconstruiu muito do desenvolvimento da personagem, que se mostrou a ‘mocinha que enganou por estar enganada’. Felizmente, o modo de Colleen lidar com a situação, evitaram a destruição completa da melhor personagem da produção. Haja girl power!


  • Conexões e Easter Eggs

Nesta parte a série investe bem, amarrando todo o universo Marvel/Netflix, fazendo ligações principalmente com os eventos de Daredevil, inclusive compartilhando o Tentáculo como ‘vilão’ das duas produções. A participação de Claire é a verdadeira ponte entre as produções e aliás, vale citar que a conexão de Claire com a série havia sido feita em Luke Cage quando ela pega o telefone do dojo de Colleen. Temos ainda a advogada Jeri Hogarth de Jessica Jones; além da citação constante de personagens das ‘irmãs mais velhas’. Veja algumas:

  • Danny cita a jornalista Karen Page e o jornal New York Bulletin
  • Joy conta a Ward que já contratou uma detetive particular excelente ‘principalmente quando sóbria’,
  • Claire lendo uma carta de Luke Cage
  • Demolidor sendo citado por vários personagens, etc.

Recheada  de provérbios chineses e de easter eggs do Universo Marvel (como no nono episódio, uma revista da Forbes que traz Danny como capa, mostra uma manchete na parte de cima citando as Industrias Stark) e Stan Lee também marca presença com seu tradicional cameo.


  • Direção, Fotografia

A direção segue a linha da simplicidade, que cabe em alguns momentos, mas em outros parece extremamente desleixada e preguiçosa. A fotografia também é simples, bem tradicional. Nas séries Marvel/Netflix, do ponto de vista técnico essa é a mais fraca.


  • Misticismo, Poderes

O misticismo não é o foco, mas faz é parte essencial da origem do Punho de Ferro, desde a queda do avião, ao seu treinamento, sua luta com o dragão imortal Shao-lao para ganhar o titulo, a marca e os poderes, mas na série temos apenas citações ou rápidos flashbacks. As séries da Marvel na Netflix costumam ser mais realistas e com pouco uso de  efeitos e CGI mas aqui fizeram muita falta. O “punho de ferro” em si é poucas vezes usado e, só vemos a real extensão de seus poderes no ultimo episódio, em uma belíssima cena de tirar o fôlego, pena ser única.


  • Conclusão

Punho de Ferro é ótima em alguns aspectos mas problemática em outros. A produção é envolvente e cumpre bem o propósito de entreter (se saindo melhor que Luke Cage nesse ponto), porém é só olhar um pouquinho mais a fundo que se veem os inúmeros defeitos. Talvez seja essa a razão da diferença gritante das opiniões do público e da crítica (que pesou a mão, sim)…

Enfim, o último defensor chegou trazendo a produção mais irregular da parceria Marvel/Netflix e a discussão sobre a série está longe de terminar.

NOTA: ⭐️⭐️⭐️ (3/5)

E você o que achou da série? O que esperar de Defensores? Comente abaixo!

  • Ramon Muriel

    Gostei muito da série, como dito ela cumpre bem a função de entreter mas mesmo assim a impressão que fica é que tiveram um monte de ideias isoladas (que eram até boas), depois juntaram tudo e a mistureba resultou numa falta de foco terrível…

    Essa tinha a oportunidade de ser a melhor série Marvel/Netflix, por isso foi um pouco brochante… Mesmo assim não é a tragédia que a crítica disse kkkkkkkk

  • Gerci

    amei a resenha mores, cês arrasam <3

  • Acompanho as séries da Netflix em parceria com a Marvel desde o lançamento da primeira temporada de Demolidor. Logo, assisti em sequência, Jessica Jones, segunda temporada de Demolidor, Luke Cage e agora a tão aguardada série do último Defensor.

    Não vou mentir, fiquei um pouco decepcionado, não tanto quanto Luke Cage, mas por ter um conhecimento um pouco mais profundo nos quadrinhos do Punho de Ferro, esperava um pouco mais da série, principalmente no que se trata de miticismo. Como dito já, a parte de CG (Computação gráfica) pode não ser um ponto forte nas parcerias da Marvel com a Netflix principalmente pelo baixo orçamento que essas séries devem ter, mas acredito que se pudesse ser incluído na primeira temporada poderia ter trazido um outro olhar para a série (crítica internacional que diga). Por fim, achei essa primeira temporada boa, não foi grandiosa como a temporada de estreia de Demolidor, mas considero melhor que Luke Cage (série que muitos críticos elogiam). O final foi muito importante para a série dos Defensores e espero ver mais sobre esses últimos acontecimentos em breve 😀